Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Barrinhas Slim Low Carb

por Cláudia Matos Silva, em 27.08.14
Depois de ter perdido 30 quilos há mais de quatro anos, a inevitável provação teria de chegar. Aguardava, portanto não fui apanhada de surpresa, quando de mansinho se foi instalando com, a início, pequas fúrias de acúcar, para agora se revelar em verdadeiros ataques, buscando tudo (e mais alguma coisa), doce. Sei que a minha compulsão alimentar é para a vida, assumi-lo não torna o processo mais fácil mas remete-me para um auto conhecimento terrivelmente angustiante. Eu sabia que voltaria a cair, essa consciencia é um pau de dois bicos. Se sabia da inevitabilidade, porque regresso a velhos maus hábitos? Por outro lado o meu subconsciente produz respostas tão desconcertantes, se é inevitável há que deixar a natureza das coisas fluir. Mas se eu não contrariar a minha verdadeira natureza animal, o meu cérebro reptílico, passaria os dias na cama a devorar snacks e documentários pela cabo.
 Não tem sido fácil manter o peso perdido, e caminho numa corda bamba, em permanente equilíbrio para que a compulsão não se abarbate da minha  vontade, mantendo com oscilações um peso saudável e a permanente angústia da que tem um historial de 'mulher gorda'. Contrariar é uma batalha para toda a vida e requer disciplina, muito mais do que simplesmente querer ser magro, a disciplina é a maior aliada neste processo de profunda angústia.
O meu orgamismo, neste momento, passa por um dos perídos de maior adição aos doces, dos últimos anos. Como em qualquer outro vício, sinto o corpo pedir a sua dose  diária de açucar. As armas desta compulsão são poderosas, deixam-me entre a apatia e a esquizofrenia, perco o norte e a razão dilui-se num copo de gelado. É nos momentos de maior consciência que opero e a minha missão é, mais do que combater essa fúria do açucar, que para já vai levando a melhor, contorná-la como uma alternativa, do mal o menos. Por exemplo, como uma peça de fruta nos momentos de maior desespero, porque o acúcar da fruta não tem aditivos. Descobri ainda as barrinhas Slim, Low Carb, uma nova alternativa aos chocolates, pode comer-se por duas vezes entre refeições e acompanha saciante com um chá. Aqui fica a composição destas barras que para estão disponíveis nas farmácias. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:17

Livros a pechincha e meia

por Cláudia Matos Silva, em 25.08.14


'Porcos com Asas', só pelo título apetece comprar. O livro dos anos 70 fala de Antónia e Rocco e assume-se como 'O diário sexual e político de dois adolescentes'. Na livraria Bizantino às portas de Santo Antão em Lisboa por apenas 1 euro, um dos livros polémicos dos anos 80 pela línguagem explícita, por vezes grosseira, mas que no contexto se lê sem pudor. Lidia Ravera e Marco Radice terão dado voz a dois adolescente italianos e as suas convicções comunistas, numa europa que por essa altura virava tendencialmente à esquerda. Dizem que é um livro datado, no fulcro, a descoberta da sexualidade abordam-se questões de sempre. A ler, se tiverem sorte de o encontrar num mercado do livro manuseado, algures por ai. Boa sorte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:19

As mulheres e as suas perguntas parvas

por Cláudia Matos Silva, em 25.08.14


Sim, nós mulheres vemos inquietação na mais plácida lagoa, porque ao contrário deles, gostamos que nos digam as coisas, uma vez, duas vezes, mil vezes. Julgo que não acreditamos à primeira nem à décima terceira, e por um mecanismo de repetição bem ao estilo das técnicas dos que tão bem manipulam a psique humana, cremos que pela milésima vez, talvez, consigamos mesmo assimilar a mensagem. Enquanto o milagre não se dá, as perguntas parvas continuam 'gostas de mim?', e como se não bastasse esmiuçamos a questão com tanta infantilidade que até parece mal 'Gostas muito de mim ou só mais ou menos?', não satisfeitas prosseguimos 'E vais continuar a gostar de mim quando tiver joanetes?'. Diz-se por costume, perguntar não ofende, mas a nossa insegurança perante provas mais do que firmadas de um amor verdadeiro, é no mínimo frustrante para o nosso parceiro. Não é por isso de admirar que a determinada altura, já cansados de tantas provas de amor falhadas, nos respondam em modo automático, suprimindo a espontaneidade na arte de amar. Declaram-se constantemente, não por ser mais verdade, mas pelo medo aterrador das nossas perguntas parvas. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:50

Gosto do 'ser' das coisas

por Cláudia Matos Silva, em 25.08.14



Malas, outra das minhas paixões assolapadas. Por questões práticas gosto de sacos grandes e levo comigo alguns dos objectivos que ajudam a construir a minha felicidade. E lembro-me de uma frase citada no filme 'Lucy' de Luc Besson 'o ser humano está  mais preocupado em ter do que ser' e, infelizmente, revejo-me nessa inevitabilidade. Sou ligada a coisas, como amuletos da sorte, e o valor comercial pouco me rala. Guardo bolotas que apanhei num sitio especial ou faço-me acompanhar para todo o lado com um livro, tal como dois namorados de mãos dadas sou amantíssima das minhas coisas. Namoro com elas, as coisas, sou física, gosto de tocar, cheirar, observar cheia de vaidade, não confundir com peneiras, mas vaidade da boa, da que toda a gente devia ter só por sair da cama para enfrentar um novo dia. Gosto de coisas, sim, muitas coisas até mas não me sinto menos 'ser' por isso. Bem pelo contrário, selectiva nas pessoas que me acompanham, sou, apenas para quem revela 'ser' da forma mais humana possível. Também é verdade que 'sou' cada vez menos, porque os tempos são efectivamente do 'ter', mas não haja dúvidas, quando 'sou' ninguém é com tanto gosto quanto eu.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:26

Amar também é deixar partir

por Cláudia Matos Silva, em 21.08.14

 

Partilhamos quinze felizes anos, numa pequena casa na margem sul do Tejo, e sabemos que o corte é inevitável. Leonardo, líder incontestado, entre os da sua espécie e os demais. Por demais, refiro-me a todos quantos lhe punham a vista em cima. A ' casa dos gatos', três lindos exemplares que impactavam em notáveis desfiles ao parapeito da janela. Aparecia a Linda, fofinha, ouviam-se vozes de cobiça, depois o Luka e os seus olhos e pelo pincelados a caramelo e o carácter ao estilo 'animal social' captava o olhar dos transeuntes, engraçado, escutava a plateia abismada. Mas quando o portentoso Leonardo, aparecia ao parapeito, todas as vozes do lado exterior à janela expressavam absoluto fascínio, os comentários dividiam-se entre o encantamento e o hipnotismo, mas que gato, diziam arrastando a última sílaba ainda de olhos postos na classe invulgar do que não era apenas um gato, mas um gatoooooo.

 

Passaram quinze anos e ainda hoje o Leonardo continua a espalhar reacções revelando a magificiencia deste lindo animal, um dos mais dignos e fieis representantes da sua espécie. Mas, muita coisa mundou, Leo viu partir dois parceiros, Linda e Luka, para não falar o afastamento do único humano que faria dele um gato amoroso, adjectivo que raras vezes o caracterizava. Hoje, este felino, com quinze anos no lombo é considerado idoso, não sei quanto tempo lhe resta e sofro nessa incerteza. Mesmo com a postura altiva, a idade moldou parte da aspereza e agressividade que faziam dele um animal destinado a humanos muito especiais. Tal e qual como o humano que lhe deu o ombro, analiso em paralelo e percebo que alcançando uma respeitável idade, ambos, besta e homem, revelam-se afáveis, tolerantes e compreensivos. 

 

Pela primeira vez nos seus quinze anos vejo-o sair de casa e onde antes o Leonardo se instalava, o profundo vazio. Na sua nova morada, junto à minha mãe, poderá finalmente apreciar os prazeres de uma terceira idade tranquila. A impaciência do Benjamin e a necessidade de conquistar a liderança à força, transforma a minha casa numa arena. E porque não sou gladiador, nem quero que estasvduas feras se dewgladiem até haver derramamento de sangue, o meu mais velho segue tranquilo para um lar quentinho, acolhedor onde se poderá refastelar aos pés da sua querida parceira e de barriguinha cheia sem ver o título de macho alfa em risco. Ele sabe, por mais anos que passem e mesmo quando já não estiver entre nós para esfregar o pelo macio nas nossas pernas, Leonardo será eternamente recordado, não como um felpudo de grandes olhos cinzento, mas somente o gatoooo. E basta. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:36

Vai um abatanado para a mulher que tem tudo!

por Cláudia Matos Silva, em 19.08.14

 

O café amarga, mesmo uma bica bem tirada e sem borra no fundo, amarga-me E insisto nesta bebida, duas a três vezes ao dia porque preciso de alguma coisa que me force a sair de casa. Tenho máquina Nespresso, aliás o que é que não tenho? - Lembro uma deixa num filme que dizia 'o que oferecer à mulher que tem tudo? - e às vezes ( não tão poucas vezes assim), sou essa mulher. Escusam de afiar o dente, não sou de posses materiais, mas quando me afirmo como 'a mulher que tem tudo' é porque preciso de pouco para ser feliz. Um pouquinho mais de ambição, assumo, far-me-ia bem, mas nunca contrariei a minha natureza, e julgo-me incapaz de o fazer algum dia. É por isso que aquela água escura e cremosa logo pela manhã, bebo ainda com os estabelecimentos de portada a meia aste e sem os bolos devidamente compartimentados na montra. Desta forma despojada pauto o início de mais um dia feliz. E mesmo arrancando o rabo da cama a muito custo, carpindo pragas à humanidade, depois do café, é sabido, tudo se irá compôr.

 

Já o dia começou, o sol brilha no perfeito azul do céu e as montras dos cafés seduzem-me com bolas cheias de creme, nesse instante começo um caso inesperado com o abatanado. Sento-me numa esplanada na baixa de Lisboa, tomam-me por turista e levam-me um euro e meio, o preço de uma pinga d'água numa chávena. Rejubilo com os muitos idiomas que me circundam. Espanhóis, italianos ou alemães preparam-se para palmilhar as sete colinas e vestidos/calçados a preceito levantam-se em bando. Observo-os até serem apenas uns pontinhos indecifráveis que parecem perder-se no azul, mais que perfeito, do mais belo céu do mundo. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:26

Morrer de Amor

por Cláudia Matos Silva, em 19.08.14

 

'...Pedi um carro emprestado a um vizinho, fui até New Jersey e identifiquei o corpo dela para a polícia. O choque de a ver assim: tão irremediavelmente inerte, tão longe, tão terrivelmente, terrivelmente morta. Quando me perguntaram se queria que o hospital a autopsiasse disse-lhes que não valia a pena. Havia apenas duas possibilidades. Ou o corpo dela, vencido por uma tremenda exaustão não aguentara mais, ou então Betty tomara comprimidos para se matar, e eu não queria saber a resposta, pois nenhuma delas teria contado a verdadeira história de Betty. A minha irmã morreu de coração destroçado. Algumas pessoas riem-se quando ouvem esta expressão 'morrer de coração destroçado' mas isso é porque não sabem coisa nenhuma acerca do mundo e da vida. As pessoas morrem de corações destroçados. Acontece todos os dias e continuará até ao fim dos tempos.'

 

Paul Auster 'Homem na Escuridão'

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:27

As negras pelúcias de Bacall

por Cláudia Matos Silva, em 14.08.14

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 09:46

Fome de mundo

por Cláudia Matos Silva, em 14.08.14

Gosto muito do Camilo Lourenço, é assertivo mas a doçura da voz aligeira um pouco o real estado das finanças do país. Às vezes nem oiço com a atenção que devia tudo o que diz, à partida conhecemos o sr. Lourenço como uma espécie de mensageiro da miséria franciscana dos cofres do estado. Mas regalo-me no calor da sua voz e embalo até algo me reter. Ontem dizia 'temos falta de mundo' e frequentemente acuso esse défice como um dos meus principais problemas. Lourenço não defende que se vire costas a Portugal mas conhecer outras realidades só nos faria crescer, individualmente e como um todo, para melhor levarmos este pedaço de mundo rumo ao progresso. Só em momentos de maior desespero me terá ocorrido a emigração como hipótese, mas se conheço mundo percebo que o meu chão é Portugal. É aqui o meu céu, às vezes um paraíso infernal, estou de olhos no mundo mas apenas de mochila às costas. O mundo merece conhecer-nos, e o nosso povo tem-se mostrado válido por esses quatro cantos. Os heróis que escolhem ficar neste canto atlântico nunca devem esquecer que não somos uma ilha. Olhar para o lado nem sempre é sinónimo de inveja, mass de atenção e só assim evoluímos (sem perder a identidade), buscando ávidos a arte do saber, ao sabor da pura observação. Secalhar por isso é que gosto do Camilo Lourenço, por mais que o desânimo se apodere de mim a maior parte dos dias, algures no meu âmago ainda reside fome de conhecimento. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:11

Escreve o que ficou por contar

por Cláudia Matos Silva, em 07.08.14

 

É de fácil explicação o meu fascínio pelas feiras de velharias, onde se vendem peças com tantas histórias,  de pessoas que já não se encontram entre nós. Para alguns, apenas o cheiro a mofo das feiras de antiguidades dite um certo mistério do mau ou  mesmo a cadáveres que não tiveram tempo em vida, de cumprir as respectivas missões. Gosto de objectos que terão passado por demasiadas mãos e cujas histórias poderão ficar à minha própria imaginação. Na feira do LX Factory perguntei se não vendiam cartas, o indivíduo apresentou-me das que se usam ao jogo, se me conhecesse saberia que não havia maneira de me interessar por aquelas. Eu falava das outras, as escritas, contam segredos, manuscritas e abertas à moda antiga. O vendedor olhou-me com um certo repúdio, indignado pelo meu interesse pela vida alheia. Partilhou comigo um encontro inusitado com um par de cartas que estariam perdidas entre uma velha revista e cujo teor dramático fê-lo livrar-se delas como quem tapa os ouvidos quando é apanhado de surpresa no meio de um casal desavindo.  Com um trejeito efiminado, fez um gesto com as mãos como quem diz, há coisas que não devemos desenterrar. Naquele instante, senti-me como aqueles jornalistas sem coração que adoram chafurdar na dor dos outros, pelo menos o vendedor assim me contagiou, condenando com o olhar reprovador o meu interesse por correspondência. O que ele não sabe, porque é um segredo muito meu, é através dos outros que me vou conhecendo melhor. Ignorar o mundo que nos rodeia tem apenas um caminho, uma auto-estrada rumo ao puro autismo. Quero lá saber se Maria deixou o esposo pelo amantíssimo fadista dos becos e vielas, mas interessa-me a génese da questão, o fulcro. Creio, ingénua que já não há amor como de antigamente, mas se conhecermos as verdadeiras motivações do Homem para o amor, percebemos que as coisas são hoje o que sempre foram e serão. Porque, se herdámos três cérebros, o que supostamente nos distingue dos bichos, não podemos ignorar que o primeiro cérebro é que nos comanda e sobre isso nada poderemos fazer. Por isso, passando pelo Zoo de Lisboa , observei durante uns minutos os nossos amigos símios. O macho, abeirou a fêmea sem meias cantigas, em alguns segundos copularam, e se o macho se afastou já pronto para outra, ela  pendurada numa estrutura metálica, aguardava tranquíla o próximo atrevido. M. sempre me disse 'depois de lavado e enxuto, é tudo a mesma coisa', agora sei exactamente do que fala. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 07:45

Pág. 1/2



Sem Título22.png

 




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D