Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




"Picha torta" entre as mulheres

por Cláudia Matos Silva, em 30.09.16

River-Phoenix-MAIN.jpg

 

O bate na avó, caixa d'óculos, baleia fora d'água ou bate-m'uma, são apenas algumas alcunhas de mau gosto, alcançando o título de intemporalidade, porque em qualquer grupo existem personagens em que assentam tais caracteristicas. No grupo que a contragosto me ia acolhendo, conforme humores, estado do tempo e outros critérios altamente parciais, existia também um outro renegado, o picha torta.  Há tantas memórias do menino mais bonito da rua, quem sabe do bairro, traído em tão tenra idade por uma graça que o levaria, à desgraça. O mito sobrepôs-se a um simples homem. Afinal, como se chama o picha torta?
 
As circunstâncias deste miúdo não lhe seriam favoráveis e nem mesmo o seu palmo de cara o faria vingar, especialmente na presença de Xavier, o líder da matilha, a quem todos os miúdos prestavam obediência cega e por quem inevitavelmente as raparigas se apaixonavam. Não havia volta a dar, as coisas aconteciam assim e ponto final. 
 
Picha torta, perdido de amores por Ana, morena trigueira e buço considerável, ansioso pela atenção da sua querida,  na verdade enleada na teia de Xavier, terá  apelado ao mais trivial exibicionismo. Subiu numa mesa de madeira nas traseiras dos prédios e inesperadadamente baixou as calças para logo as subir. Orgulhoso pelo atrevimento, realmente captou a atenção de Ana que gritou "ele tem a picha torta". Ninguém confirmou ter visto a picha, do picha torta, por isso é desde essa altura no meu universo de pré adolescente, um mito-suburbano. Mas o picha torta tem nome, não tem?
 
Menino especial, havia uma aura de secretismo em torno da sua família, a lembrar pactos dos clãs italianos. Mesmo assim, tentava na medida do possível ser um rapaz entre rapazes, mas nem sempre conseguia. Não estudava nas mesmas escolas públicas que os miúdos do bairro e certamente não vestia as mesmas roupas ordinárias. Entre mulheres, nunca lhe conhecemos um homem no lar, a mãe e as irmãs eram o núcleo duro e não havia qualquer melindre nesse facto, mesmo retratando o conservadorismo do final dos anos 80 e inicio dos anos 90. Bonito, estupidamente bonito, nunca foi visto como tal, nem mesmo pelas raparigas. Brincavamos na rua, e o picha torta não se atrapalhava, se os rapazes lhe viravam costas, as meninas haviam de o acolher.  Ele terá conhecido o melhor e o pior de todos nós. Se tantas vezes nos limpou as lágrimas em amores não correspondidos, outras vezes comportava-se como o típico rapaz e sob a influência de Xavier, tornava-se um militante empenhado daquela matilha de machistas em potência. 
 
O Xavier, Nuno, vivia no meu prédio, terceiro piso e creio, aquela casa ficará para sempre marcada com a energia daquela família, também ela incomum, onde viviam apenas homens. Confiante, carregado de preconceitos até à raiz dos cabelos, arrogante, expressava alguma violência num discurso por vezes recheado de pura basófia. Ouvia metal pesado, usava calças de ganga justas e falava de estranhos rituais no meio do mato, violentação de pessoas e animais. Quem sabe histórias para impressionar. Um dia escreveu-me no canto de um caderno da escola, dobrando cuidadosamente a mensagem como se fossem palavras de amor. Fiquei encantada com a sua linda e repenicada caligrafia, só depois me detive no verdadeiro sentido do que havia escrito "hás-de morrer careca". O Nuno era mau, assustava as pessoas com estes e outros comentários mas ao fim das contas, todas as miúdas se apaixonavam por ele e eu não fui excepção.  Recordo a sua profetização junto à porta da minha casa "quando cresceres vais ser um borracho". 
 
Estaria longe de imaginar que Xavier, inversamente a mim, iria transformar-se num trambolho, gordíssimo, a rebentar pelas costuras. Casado com Esmeralda, apresenta "shows" noveleiros para vizinhos em acesas discussões e o recurso ao pugilato. São lindos os filhos, instalam-se largamente no carro familar, e ele aproveita o fim de semana para deixar o fato e a gravata de misero comercial e usa bermudas caqui e sapatos de vela, sem meias.  Quem sabe a vida tenha ensaboado a psique de Xavier com uma generosa dose de humildade. Ele já não é o gajo mais "fixe" da rua, nem sequer faz girar cabeças. Será que Esmeralda ainda não o trocou pelo pintarolas do snackbar?
 
Aquele puto, o picha torta, corria tantas vezes atrás do seu líder é hoje o homem que eu prevera, sem tirar nem pôr. O mesmo rosto imaculado, olhos safira, cabelo acobreado, corpo esguio, desloca-se elegante e fala tranquila. No mesmo circulo femínino, entre mulheres e um ambiente de doce familiariedade surge um menino, sorriu-lhe muito, talvez se tivesse lembrado de si próprio. São os únicos homens do clã, a criança, talvez sobrinho, salta para os braços do picha torta e eu aprecio o episódio, apanhada pela surpresa de mesmo ao longe reconhecê-lo. Não consigo desviar os olhos,  mas o meu estúpido sorriso camufla uma inquietação, a questão que paira na minha cabeça. O nome, picha torta, porque raio não sou capaz de me lembrar do teu nome!?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:36



Sem Título22.png

 




Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D




page visitor counter